Facebook Instagram Google+ Twitter Youtube
Ano 1: ídolos do passado avaliam Itaipava Arena Fonte Nova
No primeiro aniversário da nova Arena, Bobô e Zé Carlos, campeões de 88, lembram grandes momentos na antiga Fonte e falam da emoção de atuar no estádio da Copa
Publicada no dia 09/04/2014 às 15h26
No princípio, fez-se a Fonte. Que voltou ao pó. Mas desde 7 de abril de 2013 voltou a ser Nova. Passados os primeiros 365 dias desde que abriu novamente as portas, a Fonte Nova voltou a ser o principal cartão postal do futebol baiano. Moderno e imponente, mas sem deixar de lado a referência ao passado. O estádio baiano para a Copa do Mundo soube, como poucos, dialogar com a sua história nos seus primeiros 12 meses de existência.

Arena Fonte Nova completa um ano neste 7 de abril de 2014 (Foto: Lino Wessen Sultanum)

Como uma gigante máquina do tempo, o estádio fez, por diversas vezes, o torcedor retornar anos de sua vida e se reencontrar no mesmo endereço: Ladeira da Fonte das Pedras, sem número, no bairro de Nazaré.

As referências ao velho estádio estão em toda parte. A abertura do anel em direção ao Dique do Tororó, charme maior da Arena, os encontros no ‘gol da Ladeira’ e a eterna ferida do lado leste, onde sete torcedores morreram, no antigo estádio, numa das maiores tragédias da história do futebol brasileiro. Está tudo lá. Vivo e presente na nova Arena Fonte Nova.

Nesse primeiro ano de novo estádio, o passado que não tira licença já teve seu dia maior de presente, quando reeditou a final do Campeonato Brasileiro de 1988.

Jogadores de Bahia e Internacional, que em fevereiro de 89 decidiram o Brasileirão do ano anterior, se reuniram para uma partida comemorativa dos 25 anos daquela final. Em 89, no jogo de ida, na antiga Fonte Nova, o Bahia venceu por 2 a 1, com dois gols de Bobô.

Organizador do evento, o ex-atacante Zé Carlos marcou o gol da vitória do Bahia na partida comemorativa. Em entrevista ao GloboEsporte.com, ele lembrou o primeiro encontro com o novo estádio e festejou a chance de poder jogar nas duas Fontes.

- Me lembro na primeira vez que fui nesse novo estádio, para gravar um comercial, e eu pensei: ‘Vou voltar a jogar aqui’. E tive a oportunidade de voltar a jogar e a fazer gol. Muitos jogadores não terão chance de jogar nessas arenas feitas para a Copa. Eu tive a oportunidade jogar e de fazer gol, então para mim é muito gratificante – disse.

Outro ídolo do passado que teve oportunidade de jogar na nova Arena foi Bobô. Capitão da equipe que conquistou o bi-brasileiro em 88, o ex-camisa 8 diz que, do ponto de vista de atleta, a Fonte Nova transmite um energia diferente aos jogadores.

- Joguei meia hora e, do campo, é algo fantástico, ali do centro do campo. Eu lembro que eu brinquei com o Charles e o Zé Carlos enquanto a gente se olhava naqueles dois telões. É um barato. Do ponto de vista de atleta, apesar de só ter jogado meia hora, é fantástico. A sinergia entre campo e torcedor é fantástica. É um energia enorme. Você ouve o torcedor e percebe o que ele sente – disse ao GloboEsporte.com.



No jogo de 25 anos do título de 88, Bobô voltou a campo (Foto: Ulisses Dumas / Ag. BAPRESS/Divulgação)

De primeira, mas à espera do ‘modo caldeirão’

Apesar de encantado com a Arena, o ídolo tricolor Zé Carlos se mostra incomodado com o fato de o estádio ainda não ter recebido seu público total. Na partida de maior público no modo legado, o estádio recebeu 40.249 na partida em que o Bahia perdeu para o Fluminense por 2 a 1, em dezembro de 2013. Já no modo Copa, o estádio recebeu 48.874 torcedores.

Para o ex-jogador, o grande diferencial do antigo estádio era o torcedor. E isto precisa ser conquistado pela Arena.

- A nova Fonte Nova é um mega-estádio, só que o grande glamour da antiga Fonte era a torcida, e ainda não vi esse novo estádio lotado. Estive no último Ba-Vi [no dia 23 de março], e não estava lotado. Já joguei no antigo estádio com 110 mil pessoas, e a nova é um estádio para 50 mil pessoas e ainda não lotou – disse ao GloboEsporte.com.

Bobô discorda do ex-companheiro. Para o ex-jogador e hoje chefe da Superintendência de Desportos da Bahia, existe uma dificuldade em encontrar estádios cheios em todo Brasil, o que não seria um problema específico da Fonte Nova.

- Acho que um estádio para 50 mil pessoas está de bom tamanho. Hoje em dia tem a dificuldade de lotar estádio. A média de público brasileira é baixa atualmente, principalmente nos estaduais. São composições diferentes. Foi muito legal jogar para 110 mil pessoas em 1988, mas não havia conforto algum. Você saía e perdia o lugar. Hoje há lugares marcados e uma comodidade diferente. Então, acho que mudou para melhor. O futebol hoje é um grande negócio. Só espero que seja um estádio de todos e de todas as classes sociais – disse Bobô.


No último Ba-Vi, a Fonte Nova recebeu quase 30 mil torcedores (Foto: Eric Luis Carvalho)

Se ainda falta a alma de caldeirão, Zé vê a Arena completa em termos de estrutura. O ex-atacante brinca e diz que, caso o time campeão em 1988 tivesse atuado em um estádio em condições tão boas quanto o atual, aquele grupo teria vida mais fácil.

- Da parte estrutural, não tem o que falar. Se aquele time campeão de 88 jogasse nesse gramado seria brincadeira. Se naquele antigo campo, que era um pasto, a gente já fazia tabelas e jogadas, nesse campo aí, nós iríamos brincar. Sem falar que a torcida fica bem mais perto do campo. Com essa energia do torcedor, seria uma brincadeira – disse.


Torcida do Bahia voltou no tempo com os herois de 88 (Foto: Erik Salles / Ag. BAPRESS/Divulgação)

Bobô vai além e completa. Para ele, a Arena tem um ganho em termos de conjunto e modernidade.

- Essa concepção de Arena é diferente do que estamos acostumados em termos de comodidade, conforto e acessibilidade. É um estádio diferente de tudo o que a gente tinha no passado. É uma modernização. É um estádio feito para atender o que é o futebol hoje. Um negócio muito diferente do que era no nosso tempo. Futebol hoje é outra coisa – disse o comandante da Sudesb.

De flerte com o passado, mas em busca de novas histórias, a Fonte Nova comemora o primeiro aniversário sem esquecer os seus outros 59 anos, mesmo os três mais obscuros, quando ficou fechada entre 2007 e 2010. Assim o estádio baiano para a Copa do Mundo se faz presente com cara de futuro sem deixar de celebrar o passado.
Fonte: Globo Esporte
Outras Notícias
07/11/2017
Sound System na Arena Fonte Nova pela Consciência Negra
Ministereo Público faz segundo teste do seu novo Sound System na Arena Fonte Nova neste sábado, dia 11 de novembro, com evento que celebra o mês da Consciência Negra
Facebook Instagram Google+ Twitter Youtube
Cadastre-se e Receba Newsletter
Receba em primeira mão novidades e promoções da Itaipava Arena Fonte nova em seu e-mail e celular.
 
2015 - 2017. Itaipava Arena Fonte Nova. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo | Agência Digital em Salvador